Categoria: Clínica Geral

Outubro 18, 2021

As lesões provocadas por algum tipo de trauma na região da boca podem atingir face, os lábios, tecidos moles, dentes e/ou estrutura óssea de suporte. As lesões dentárias podem ir desde simples fissuras do esmalte até grandes fraturas da coroa e da raiz dentária, que podem ser irreparáveis. Além disso, os traumatismos dentários podem ter várias origens, como quedas, prática desportiva, acidentes de bicicleta e viação, violência física e o uso de piercings labiais ou linguais.

Nalguns casos pode ocorrer a avulsão do dente do seu alvéolo, quando este é expulso na totalidade da cavidade oral. Noutras situações o dente mantém-se íntegro, mas as estruturas de suporte são afetadas. Quando o trauma atinge os dentes e suas estruturas de sustentação, o médico dentista é responsável pela avaliação e indicação do melhor tratamento para o problema, que pode variar consoante o tipo de lesão que afetou o dente. Nos casos de pequenas fraturas, uma simples restauração pode devolver o dente à sua normal função e estética.

Já em casos mais graves, podem ser necessários outros procedimentos, como tratamento endodôntico, coroas ou facetas dentárias e até eventual colocação de implantes dentários para substituição de dentes irrecuperáveis.

Se sofreu algum acidente que afetou a região oral, faça uma avaliação connosco!

Outubro 11, 2021

As manchas brancas nos dentes, apesar de parecerem inofensivas, em muitos casos podem ser mais do que simplesmente um incómodo estético. Podem ser indicativo de cárie ou outros problemas.

A mancha branca provocada pela cárie corresponde ao primeiro sinal de desgaste do esmalte dental. Normalmente essas manchas surgem em locais onde o acúmulo de alimentos é localizado, como próximo à gengiva e entre os dentes, favorecendo a proliferação de bactérias e a formação de placas.

Outro fator que pode causar manchinhas brancas no dente é a fluorose dentária, uma patologia que afeta os dentes e que se desenvolve durante a sua formação. Esta afeção é desencadeada pela presença em excesso de fluoreto (ou flúor), e manifesta-se ao nível do esmalte dentário na forma de manchas e/ou defeitos anatómicos. É um problema que pode ser evidenciado logo no bebé, ou em crianças, no caso da fluorose infantil, e pode continuar a evidenciar-se na fase adulta.

Um dos sinais mais evidentes e visíveis da fluorose dentária é a presença de manchas nos dentes que normalmente apresentam uma forma irregular e podem ter várias tonalidades consoante a sua gravidade e intensidade.

É importante consultar o seu médico dentista para controlar o surgimento, ou até acompanhar o desenvolvimento das manchas, pois, nos casos mais severos, poderá mesmo haver irregularidades e perda da estrutura dentária, já que a fluorose torna o esmalte hipomineralizado, mais poroso e friável, e como tal, mais fácil de se desgastar, podendo em alguns casos surgir mesmo surgir mesmo sensibilidade dentária e/ou dor de dentes.

O terceiro fator mais comum é a hipoplasia de esmalte, uma condição caracterizada pela deficiência da formação do esmalte do dente. As manchas que aparecem por causa da hipoplasia são normalmente tratadas com clareamento dentário ou uso de cremes dentais remineralizadores

Outubro 7, 2021

Para manter a saúde dos nossos dentes e gengivas, devemos lavar os dentes no mínimo duas vezes por dia e trocar a escova de dentes a cada três meses. Este período é calculado tendo em consideração a pressão aplicada durante o processo.  Uma escova de dentes muito desgastada ao fim de apenas algumas semanas é sinal de que estamos a aplicar demasiada pressão durante a escovagem. Tenha atenção!

Aguardar mais do que três meses para trocar a escova de dentes pode ter como consequência uma acumulação de bactérias, fungos e vírus. No entanto, há outros indicadores que devemos ter em conta na hora de substituir a escova: o sinal mais simples de o saber está na deformação das cerdas, pois uma escova deformada origina uma higiene deficiente e consequentemente problemas de inflamações da gengivas e cáries.

COVID-19: Depois de se curar de uma infeção, o ideal é trocar imediatamente a sua escova de dentes. A prática é válida tanto para gripes e resfriados quanto para doenças mais graves, como a Covid-19. Isto porque alguns dos vírus e bactérias causadores de doenças podem ficar acumulados nas cerdas da escova.

Existem alguns cuidados que podemos ter para que a escova de dentes se mantenha limpa e eficaz ao longo da sua utilização:

– Higienizar a escova de dentes semanalmente colocando-a durante 30 minutos num copo de água com uma colher de bicarbonato e duas de vinagre.

– Quando estivermos constipados, devemos colocar a escova num antissético oral durante 10 minutos após a utilização.

– Devemos colocar uma tampa na escova de dentes depois de ela estar devidamente seca, para evitar que alguns resíduos em suspensão se acumulem nos cerdos.

Setembro 29, 2021

Trata-se de um odor desagradável que é eliminado através da cavidade oral. Em quase 95% das vezes, tem origem diretamente na boca, tendo como causas problemas na gengiva e na língua.

Pesquisadores já descobriram mais de 40 causas para a halitose, entre as principais estão a higiene oral inadequada, um agravante para o problema, pois permite que restos de alimentos se acumulem entre os dentes, na língua e na gengiva.

Outro fator que pode provocar a halitose é a chamada saburra lingual, camada branco-amarelada que se deposita na superfície da língua. Formada por restos de comida, bactérias e células descamadas da boca, a saburra em si é um acontecimento normal, mas quando ocorre o acúmulo no fundo da língua pode causar fortes odores. A placa bacteriana (ou biofilme), que se forma naturalmente na boca, é outra condição que contribui para o mau hálito

O acúmulo de bactérias que provoca o mau hálito é causado, muitas vezes, pela falta de uma rotina completa de higiene oral. Em ocasiões raras, o mau hálito pode ser sinal de uma condição médica mais grave, por isso, é importante que não ignore o problema e procure um médico dentista se o problema continuar.

O mau hálito pode ser provocado por diversos fatores, entre eles podemos mencionar:

– Tabagismo;

– Alguns tipos de alimentos, como o alho;

– Dietas restritivas;

– Boca seca, quando falta saliva para eliminar o excesso de partículas de alimentos;

– Infeções, pois o mau hálito pode sinalizar infeções em alguma parte do organismo;

– Stress;

– Mudanças hormonais;

Como prevenir o mau hálito:

– Lavar os dentes, pelo menos, duas vezes ao dia;

– Uso diário do fio dentário;

– Mantenha-se hidratado;

– Utilizar enxaguante bucal sem álcool;

Setembro 24, 2021

A gestação é uma altura muito importante e sensível na vida de uma mulher. Para zelar pela saúde do bebé, muitas mães acabam por ficar com medo de fazer certos tratamentos dentários, mas nós estamos aqui para ajudar.

Se planeja engravidar, a melhor época para procurar um dentista é antes do início da gestação para avaliar o estado geral ou corrigir alguma situação que possa levantar problemas durante a gravidez, como a extração de um ou mais sisos. No caso de já estar grávida, o indicado é fazer um check-up dentário o quanto antes.

Contudo, no primeiro trimestre da gravidez não é conveniente avançar para intervenções muito invasivas como extrações de dentes ou desvitalizações. Durante a gravidez procura-se prevenir eventuais complicações orais e iniciar o tratamento de situações agudas, a concluir depois do parto.

A Ordem dos Médicos Dentistas de Portugal divulgou uma série de informações que desmistificam questões como o enfraquecimento dos dentes da mãe devido a perda de cálcio. Tal facto não acontece, pois, o cálcio está presente nos dentes da mãe, de forma estável e cristalina, não sendo disponível para a circulação sistémica.

Algumas situações são comuns na saúde oral durante a gravidez, especialmente a partir do segundo trimestre e que merecem atenção, como por exemplo, as lesões vasculares edematosas nas gengivas, designadamente epúlides gengivais gravídicas. De causa hormonal, estas lesões têm maior incidência e gravidade na presença de bactérias. Torna-se por isso muito importante tomar medidas que reduzam a placa bacteriana e o tártaro, tais como a escovagem eficaz, o uso do fio dentário e/ ou escovilhões, as destartarizações regulares e a utilização de antimicrobianos orais como o elixir.

O aumento da resposta inflamatória do organismo, fruto de alterações hormonais durante a gravidez, favorece o rompimento dos vasos sanguíneos nas gengivas e o aparecimento da gengivite e doença periodontal. Por isso é fundamental visitar o dentista logo que surgir algum sintoma ou situação de incomodo.

Como manter a saúde da sua boca durante a gestação?

– Evite a ingestão excessiva de alimentos salgados e doces, que favorece o aparecimento de cáries

– Lave os dentes com mais frequência, usando o dentífrico mais adequado à sua condição oral (definido em cada caso pelo médico dentista). Não esquecer o fio dentário e o elixir

– Se mantenha informada e procure ajuda aos primeiros sintomas

– Faça os possíveis para evitar a criação de ambientes ácidos na boca. No caso de ter vómitos, uma boa solução poderá ser bochechar de seguida com água e uma colher de chá de bicarbonato de sódio ou usar um elixir com flúor.

– Mantenha uma alimentação equilibrada.

Setembro 22, 2021

De acordo com a Ordem dos Médicos Dentistas de Portugal, um quarto da população do país fuma. Esta é uma informação preocupante para a saúde de todo o organismo, visto que o consumo de tabaco é uma das principais causas de morte e doença evitável.

O tabaco é constituído por mais de 4 mil substâncias, algumas com efeitos tóxicos, cancerígenos e que provocam dependência. Além disso, as consequências apenas para a saúde oral vão desde a halitose até doenças mais graves como o cancro. Aliás, o tabagismo é o principal fator de risco para o desenvolvimento do cancro oral.

Além de provocar lesões potencialmente malignas na boca, fumar também acelera o processo de perda dos dentes e pode levar ao insucesso na reposição dos mesmos através de implantes dentários.

Outras manifestações orais que resultam da exposição continuada aos constituintes do tabaco incluem as cáries dentárias (cervicais), a melanose do fumador na gengiva e mucosa jugal (bochecha), a pigmentação dos dentes, entre outras.

O melhor tratamento contra esses problemas ainda é a prevenção. Procure ajuda e deixe de fumar o quanto antes. Também não esqueça de fazer visitas regulares ao médico dentista.

Setembro 20, 2021

É comum relacionar o sangramento da gengiva com à má higiene oral. Porém, o sinal vermelho pode estar muito além de um problema nos dentes. O sintoma pode indicar deficiência em outras áreas do organismo, como a carência de vitamina K, leucemia, alterações hormonais, diabetes, queda de resistência e desordem hemorrágica.

Se sua gengiva sangra, é importante ser observada de perto por um dentista. Problemas na região podem significar desde o comprometimento dos dentes, pelo acúmulo de placa bacteriana, até doenças mais sérias.

Estudos apontam que a maior causa do sangramento gengival é o acúmulo de bactérias. Quando elas não são removidas dentro de um prazo adequado, amadurecem e formam o tártaro, que acabam por causar o sangramento das gengivas.

O que fazer para prevenir ou combater o sangramento?

– Mantenha uma rotina de higiene oral;

– Utilize o fio dentário pelo menos uma vez ao dia;

– Consultar regularmente o dentista;

– Utilize escova dental com cerdas macias;

– Cuidado com o consumo em excesso de açúcares e hidratos de carbono simples;

Setembro 17, 2021

O bruxismo é o hábito de ranger ou apertar os dentes onde é aplicada força excessiva na musculatura mastigatória, provocando um desgaste dos dentes. É um comportamento involuntário que pode acontecer durante o dia ou durante a noite, neste último caso é considerada um sintoma de perturbação do sono, que pode estar associado a outros sintomas como o ressonar ou a apneia do sono.

Uma das maiores causas apontadas para o hábito de ranger os dentes são os níveis de ansiedade e stress. Por esse motivo, ele costuma acometer pessoas entre os 20 e os 50 anos, por ser uma das fases mais ativas da vida. Outros fatores associados ao bruxismo são o consumo de tabaco e de cafeína ou álcool.

É um problema silencioso, pois muitas pessoas não sabem que possuem o transtorno. Porém, em casos mais graves podem ocorrer danos não só à estrutura dentária mas também à estrutura de suporte à mastigação.

Alguns sintomas que podem indicar que você sofre de bruxismo são:

– Dentição começa a ficar lascada e mais curta;

– Perda do esmalte dentário e, por consequência, início de sensibilidade nos dentes;

– Acordar com rigidez nos músculos da face, cabeça e pescoço;

– Dor facial;

– Dor a nível da articulação que une os maxilares ao crânio;

– Músculos da mandíbula cansados ou “presos”, não “abrindo” na totalidade;

– Dores de cabeça na zona temporal;



Formas de prevenção

A goteira oclusal é a principal (e mais simples) forma de para proteger os dentes do bruxismo noturno. Se é o stress que está a causar o ranger dos dentes, a prática de exercício físico ou a terapia podem revelar-se de grande utilidade para minimizar o bruxismo.

Translate »