Etiqueta: dentista

Novembro 10, 2021

Tem medo de ir ao dentista? Saiba que não está sozinho. Essa preocupação a cada vez que precisa comparecer ao consultório dentário atinge até 4% dos portugueses, de acordo com estudos do Barómetro da Saúde Oral, realizado pela Ordem dos Médicos Dentistas.

Mesmo que a maioria dos procedimentos odontológicos não causem dor, o simples fato de serem examinadas faz com que as pessoas passem por momentos de stress. Esses sentimentos podem ser sintomas do que chamamos ansiedade odontológica, quando a pessoa tem uma sensação de desconforto quando chegar a hora da consulta. Preocupa-se excessivamente e pode ficar com medo sem razão aparente. Outra situação é a odontofobia, uma condição médica séria. É um medo intenso ou pavor. Pessoas com medo de dentista não são só ansiosas, mas ficam aterrorizadas e com pânico.

A fobia é um medo intenso e irracional. Pessoas com medo de dentista frequentemente deixam de lado por anos, às vezes até décadas, a sua rotina de cuidados com os dentes e a boca. Para evitar isso, acabam convivendo com doenças periodontais, dor e até dentes quebrados ou com aparência ruim.

Alguns dos sintomas odontofobia são:

– Sente-se tenso ou tem problemas para dormir na noite antes da consulta;

– Fica mais e mais nervoso enquanto aguarda na sala de espera;

– Tem vontade de chorar quando pensa que vai ao dentista; ver os instrumentos do dentista ou o jaleco branco dos funcionários do consultório já deixa você ansioso;

– O mero pensamento de ir ao dentista deixa você doente fisicamente;

– Fica em pânico ou tem dificuldade para respirar quando objetos são colocados na sua boca durante uma consulta regular.

Se essas descrições correspondem aos seus sentimentos, você precisa contar ao seu dentista sobre seus receios, medos e como se sente. Ele ou ela vai ajudá-lo a superar esses sentimentos mudando a maneira como você é tratado. O dentista também poderá sugerir a procura de atendimento psicológico.

Também temos algumas dicas para aliviar a tensão e o receio na hora de ir ao dentista. São atitudes que, aos poucos, podem fazer você se sentir mais confortável com a situação.

– Não adie uma consulta, pois o problema dentário pode piorar e o atendimento se tornar mais longo e doloroso;

– Converse com o dentista antes da consulta e diga quais são os seus medos e como está a se sentir;

– Perceba o que vai acontecer: tire todas as suas dúvidas com o médico dentista antes do início do atendimento ou tratamento.

– Oiça músicas durante a consulta: A abstração também funciona bem para algumas pessoas. Levar um telemóvel e uns auscultadores para ouvir as suas músicas favoritas pode ser uma boa opção.

– Leve um amigo, a presença na consulta de alguém que lhe é próximo é muitas vezes benéfico para a pessoa, que assim se sente mais acompanhada e, por isso, mais calma.

– Se for necessário, utilize um analgésico ou um ansiolítico fraco antes da consulta, desde que indicado pelo seu médico.

Novembro 5, 2021

O sorriso gengival é aquele sorriso que a gengiva aparece de forma mais evidente. Chama mais a atenção pelo excesso da gengiva do que propriamente pelo conjunto: boca, lábios, dentes e gengivas. Em um sorriso “normal”, apenas 3mm da gengiva fica aparente, quando essa medida é ultrapassada, o paciente possui um sorriso gengival.

Um dos procedimentos mais utilizados para correção desse desnível, por ser menos invasivo e de rápida recuperação, é a aplicação da toxina botulínica (botox). Em qualquer região que ela for aplicada no rosto, o músculo envolvido sofre um relaxamento, o que acaba por deixar as expressões faciais menos marcadas e, no caso, do sorriso gengival, o lábio não se contrai tanto a ponto de expor demasiadamente a gengiva.

A aplicação do botox para sorriso gengival, assim como para a maioria dos outros procedimentos, é bastante rápida e feita no próprio consultório. Em menos de 1 hora todo o procedimento já foi concluído e o paciente pode retornar para a sua rotina.

A correção do sorriso gengival com uso do botox, ao contrário da gengivoplastia e a gengivectomia, não é uma solução definitiva e precisa ser reaplicado a cada seis meses, quando há o retorno da função neuromuscular.

Faça uma avaliação connosco! E saiba qual o melhor tratamento para o seu problema!

Novembro 3, 2021

A destartarização, ou limpeza dos dentes, é o principal procedimento que elimina o tártaro e a placa bacteriana dos dentes, permitindo assim, prevenir possíveis avanços de patologias inerentemente associadas.

A placa bacteriana e o tártaro são problemas bastante frequentes, afetando todas as pessoas. No entanto, tende a agravar-se nos casos em que não existe uma correta higiene oral, nas pessoas com hábitos tabágicos, ou perante uma predisposição causada por eventuais problemas de saúde ou hábitos alimentares indevidos, etc.

A eliminação do tártaro e da placa bacteriana é muito importante para evitar problemas mais graves como a cárie, a gengivite, a periodontite e até a perda dos dentes de forma precoce.

A destartarização é feita com um instrumento próprio que produz vibrações através de ultrassom. Estas vibrações em contacto com o tártaro conseguem desfragmentá-lo e separá-lo dos dentes.


O procedimento é sempre complementado com polimento dentário, que para além de polir o esmalte dentário, remove as machas de pigmentação existentes parecendo assim que clareia os dentes. A frequência aconselhada para que sejam efetuadas as destartarizações é de duas vezes por ano, ou seja, de 6 em 6 meses.

Outubro 22, 2021

Existem bactérias presentes naturalmente na boca que são responsáveis por transformar os alimentos, principalmente o açúcar e o amido, em ácidos. Quando estas bactérias unem-se aos ácidos e aos restos de alimentos na nossa boca acabam por formar uma placa. Os ácidos dessa placa dissolvem a superfície esmaltada do dente e dão origem à cárie.

São vários os fatores que contribuem para a formação da cárie, entre eles, uma dieta rica em açúcares e hidratos de carbono simples, assim como em alimentos que podem facilmente ficar presos aos dentes.

Quando sente a presença de uma cavidade, ou a ausência de uma parte do dente, muito provavelmente terá uma lesão de cárie dentária já avançada. A detecção de cáries numa fase inicial não é fácil e normalmente só consegue ser realizada por médicos dentistas.

Se notar alguma alteração de cor, como manchas brancas, amareladas, acastanhadas ou pretas na parte superior dos dentes (sulcos e fissuras), deverá consultar o seu médico dentista. As lesões de cárie entre os dentes podem ser potencialmente detectadas ao passar o fio dentário, uma vez que fica preso ou esgaça na sua presença. Quando sente dor, é sinal de que a cárie já atingiu a parte mais interna do dente (dentina).

O tratamento varia de acordo com a profundidade da lesão provocada pela cárie. Os tratamentos à base de flúor podem ajudar a curar as cáries no esmalte, mas para cáries mais profundas, os dentistas devem remover a cárie e preencher o espaço resultante. Ao não ser tratada corretamente, a cárie continua a desenvolver-se. Além disso, aquela que fica sem tratamento pode provocar a perda do dente.

Quando a cárie é tratada antes de provocar dor, é provável que se possa reduzir a lesão causada na polpa e se possa salvar uma maior parte da estrutura do dente. Para detectar precocemente as cáries, o dentista procura informar-se acerca da dor, examina os dentes e realiza testes com instrumentos adequados, podendo também recorrer às radiografias.

Outubro 20, 2021

O Cancro da Boca é o sexto tipo mais comum da doença em Portugal. Hábitos como fumar e beber aumentam, consideravelmente, as chances de desenvolver a enfermidade. No entanto, são poucos os portugueses que sabem que, à semelhança do que se faz para o cancro da mama, também para o cancro oral existe um autoexame, que pode ajudar a identificar precocemente lesões.

Durante uma das visitas ao médico dentista, o profissional pode ensinar como fazer adequadamente o autoexame da boca. De forma resumida, o autoexame da cavidade oral é rápido, mas precisa ser bem feito para que seja possível identificar sinais de problemas graves. E, como já sabemos, quanto mais precoce pudermos diagnosticar essas doenças, maiores são as chances de cura e menores as sequelas de eventuais tratamentos.

Realizar o autoexame da boca é importante não só para prevenção do cancro da boca como de doenças da gengiva e dos dentes.

Veja abaixo como fazer o exame:

– Remover, se for o caso, próteses dentárias e escovar os dentes;

– De frente para um espelho e com ambiente bem iluminado, analisar a pele do rosto e do pescoço, para ver se existe algum abaulamento, lesões avermelhadas ou outras alterações;

– Olhar a boca e a garganta no espelho;

– Com a ponta do dedo indicador, examinar cuidadosamente a parte interna das bochechas, percorrer as gengivas, as bordas laterais e a parte de cima da língua, além do soalho (abaixo da língua) e o céu da boca.

– Examinar o pescoço, comparando os lados direito e esquerdo.

– Observar a cor e textura das gengivas e dos lábios;

– Observar se há dentes fraturados;

– Feridas que não cicatrizam;

– Presença de úlceras acastanhadas ou brancas;


Ao notar alguma alteração consulte o médico dentista.

Outubro 11, 2021

As manchas brancas nos dentes, apesar de parecerem inofensivas, em muitos casos podem ser mais do que simplesmente um incómodo estético. Podem ser indicativo de cárie ou outros problemas.

A mancha branca provocada pela cárie corresponde ao primeiro sinal de desgaste do esmalte dental. Normalmente essas manchas surgem em locais onde o acúmulo de alimentos é localizado, como próximo à gengiva e entre os dentes, favorecendo a proliferação de bactérias e a formação de placas.

Outro fator que pode causar manchinhas brancas no dente é a fluorose dentária, uma patologia que afeta os dentes e que se desenvolve durante a sua formação. Esta afeção é desencadeada pela presença em excesso de fluoreto (ou flúor), e manifesta-se ao nível do esmalte dentário na forma de manchas e/ou defeitos anatómicos. É um problema que pode ser evidenciado logo no bebé, ou em crianças, no caso da fluorose infantil, e pode continuar a evidenciar-se na fase adulta.

Um dos sinais mais evidentes e visíveis da fluorose dentária é a presença de manchas nos dentes que normalmente apresentam uma forma irregular e podem ter várias tonalidades consoante a sua gravidade e intensidade.

É importante consultar o seu médico dentista para controlar o surgimento, ou até acompanhar o desenvolvimento das manchas, pois, nos casos mais severos, poderá mesmo haver irregularidades e perda da estrutura dentária, já que a fluorose torna o esmalte hipomineralizado, mais poroso e friável, e como tal, mais fácil de se desgastar, podendo em alguns casos surgir mesmo surgir mesmo sensibilidade dentária e/ou dor de dentes.

O terceiro fator mais comum é a hipoplasia de esmalte, uma condição caracterizada pela deficiência da formação do esmalte do dente. As manchas que aparecem por causa da hipoplasia são normalmente tratadas com clareamento dentário ou uso de cremes dentais remineralizadores

Setembro 29, 2021

Trata-se de um odor desagradável que é eliminado através da cavidade oral. Em quase 95% das vezes, tem origem diretamente na boca, tendo como causas problemas na gengiva e na língua.

Pesquisadores já descobriram mais de 40 causas para a halitose, entre as principais estão a higiene oral inadequada, um agravante para o problema, pois permite que restos de alimentos se acumulem entre os dentes, na língua e na gengiva.

Outro fator que pode provocar a halitose é a chamada saburra lingual, camada branco-amarelada que se deposita na superfície da língua. Formada por restos de comida, bactérias e células descamadas da boca, a saburra em si é um acontecimento normal, mas quando ocorre o acúmulo no fundo da língua pode causar fortes odores. A placa bacteriana (ou biofilme), que se forma naturalmente na boca, é outra condição que contribui para o mau hálito

O acúmulo de bactérias que provoca o mau hálito é causado, muitas vezes, pela falta de uma rotina completa de higiene oral. Em ocasiões raras, o mau hálito pode ser sinal de uma condição médica mais grave, por isso, é importante que não ignore o problema e procure um médico dentista se o problema continuar.

O mau hálito pode ser provocado por diversos fatores, entre eles podemos mencionar:

– Tabagismo;

– Alguns tipos de alimentos, como o alho;

– Dietas restritivas;

– Boca seca, quando falta saliva para eliminar o excesso de partículas de alimentos;

– Infeções, pois o mau hálito pode sinalizar infeções em alguma parte do organismo;

– Stress;

– Mudanças hormonais;

Como prevenir o mau hálito:

– Lavar os dentes, pelo menos, duas vezes ao dia;

– Uso diário do fio dentário;

– Mantenha-se hidratado;

– Utilizar enxaguante bucal sem álcool;

Setembro 27, 2021

A ortodontia é a área de medicina dentária responsável pela correção da posição dos dentes e dos ossos maxilares que se encontram de forma inadequada. Dentes tortos ou dentes que não se encaixam corretamente são difíceis de serem mantidos limpos, podendo ser perdidos precocemente, devido à deterioração e à doença periodontal.

Nesta especialidade o dentista pode agir para prevenir e corrigir problemas que ocorram com a estrutura oral. O tratamento ortodôntico não possui apenas benefícios estéticos, existem vários problemas de saúde oral que podem ser corrigidos com tratamentos, como a mordida aberta, o apinhamento dentário e a má oclusão.

Os benefícios uso do aparelho dentário, ou outro tipo de tratamento ortodôntico, vão além e também podem melhorar a nossa função mastigatória, aliviar as dores de cabeça provocadas pela má oclusão e devolver a confiança na hora de sorrir.

Já agora, os adultos também podem fazer estes tipos de tratamento?

Nas crianças, o crescimento ativo da estrutura oral ajuda na eficiência do tratamento ortodôntico, principalmente a correção da má oclusão dentária ou esquelética.

A diferença na biologia entre crianças e adultos é diferente neste sentido, o que gera reações e necessidade biomecânicas diferentes, mas possíveis. O médico dentista, após avaliação inicial, é quem vai indicar o melhor tratamento para cada caso.

Vantagens:

– Correção da posição dos dentes;

– Estética do sorriso mais harmoniosa;

– Melhor higiene oral;

– Reabilitação oral em casos de tratamentos multidisciplinares;

– Melhor função mastigatória e oclusal;

Setembro 20, 2021

É comum relacionar o sangramento da gengiva com à má higiene oral. Porém, o sinal vermelho pode estar muito além de um problema nos dentes. O sintoma pode indicar deficiência em outras áreas do organismo, como a carência de vitamina K, leucemia, alterações hormonais, diabetes, queda de resistência e desordem hemorrágica.

Se sua gengiva sangra, é importante ser observada de perto por um dentista. Problemas na região podem significar desde o comprometimento dos dentes, pelo acúmulo de placa bacteriana, até doenças mais sérias.

Estudos apontam que a maior causa do sangramento gengival é o acúmulo de bactérias. Quando elas não são removidas dentro de um prazo adequado, amadurecem e formam o tártaro, que acabam por causar o sangramento das gengivas.

O que fazer para prevenir ou combater o sangramento?

– Mantenha uma rotina de higiene oral;

– Utilize o fio dentário pelo menos uma vez ao dia;

– Consultar regularmente o dentista;

– Utilize escova dental com cerdas macias;

– Cuidado com o consumo em excesso de açúcares e hidratos de carbono simples;

Translate »